Economia

Audiência propõe frente estadual contra venda de campos de Petróleo

A Câmara Municipal de Natal reuniu nesta manhã (15) petroleiros em audiência pública, proposta pela vereadora Natália Bonavides (PT), para discutir a permanência da Petrobras na exploração dos poços de petróleo no estado. A audiência contou com a participação do deputado estadual Fernando Mineiro e da Senadora Fátima Bezerra, além do vereador Fernando Lucena.

A Petrobras divulgou no final do mês passado uma lista com 50 campos de petróleo terrestres que pretende vender no Rio Grande do Norte e na Bahia. A empresa cederá a totalidade de seus direitos de exploração, desenvolvimento e produção em três conjuntos de campos nos dois estados. Os reflexos previstos com a venda, bem como a ameaça de privatização da estatal, foram destaque no debate. Elvis Roberto, da Associação de Geólogos do Rio Grande do Norte (Agern), apresentou dados que apontam que quando se investe numa bacia petrolífera, ela sempre responde positivamente.

O secretário-geral do Sindicato dos Petroleiros (Sindipetro), Pedro Lúcio, destacou que ao deixar de investir nos campos do estado, a Petrobras atinge diretamente a economia local. “Em 2016 tivemos a menor arrecadação de royalties nos municípios e em 2017 a expectativa é pior. Isso também é razão para salários atrasados em alguns municípios e no estado. Quando começa a fragmentar os setores da Petrobrás para vender, enfraquece todo o sistema.É uma retirada política e não técnica”, disse.

Para o deputado estadual Fernando Mineiro é preciso pensar também na exploração dos campos marítimos. Em julho de 2016 o governo anunciou a venda de campos do pré-sal como parte do plano de redução de endividamento da estatal. “O problema não é apenas nos campos maduros, está em curso o processo de entrega das áreas marítimas. Precisamos pensar de forma articulada no campos maduros e mar”, disse. A senadora Fátima Bezerra ressaltou a importância dos investimentos da estatal que estão sendo reduzidos e que compromete a economia e o desenvolvimento do estado. “Implica num retrocesso brutal porque significa redução de empregos e da promoção do desenvolvimento econômico e social local. Precisa-se investir no pré-sal e também nos campos terrestres. Precisamos criar quantas frentes forem necessárias de atuação ampla e suprapartidária contra a retirada da Petrobrás do estado”, declarou a parlamentar.

A criação de uma frente estadual foi um dos encaminhamentos anunciados pela propositora da audiência. Ela destacou que os debates técnicos e políticos contribuíram para a discussão. “A nossa soberania tem relação total com as riquezas naturais do país. Falar na venda dos campos como se fosse transação comum é reflexo de uma visão equivocada de uma estatal com grandeza como a Petrobras. Qual o compromisso de uma empresa privada em desenvolver cadeia produtiva no estado? Vamos articular representantes na Assembleia Legislativa, câmaras, prefeitos, movimentos sociais e partidos comprometidos com a defesa do nosso patrimônio nacional para a criação de uma frente ampla em defesa da Petrobras. precisamos pensar na bancada federal: enviaremos uma carta sistematizando o debate feito hoje”, declarou a vereadora Natália Bonavides.



Deixe um Comentário