Diversos

Assinatura falsa foi usada contra processo de cassação de Eduardo Cunha

ASSINATURA FALSA DO DEPUTADO VINICIUS GURGEL (PR-AP). (FOTO:PEDRO LADEIRA)

ASSINATURA FALSA DO DEPUTADO VINICIUS GURGEL FOI USADA PARA BARRAR PROCESSO CONTRA O PRESIDENTE DA CÂMARA. (PR-AP). (FOTO:PEDRO LADEIRA)

Reportagem do jornal “Folha de S.Paulo” desta quarta-feira (9) afirma que uma assinatura falsa do deputado Vinícius Gurgel (PR-AP) foi usada numa tentativa de barrar o processo contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), no Conselho de Ética da Casa.

Segundo a “Folha”, a assinatura falsa de Gurgel foi usada numa carta em que o deputado renunciava ao conselho. O parlamentar, aliado de Cunha, não estava em Brasília e não participaria da sessão da última quarta (2), que votou pela continuidade do processo contra o presidente da Casa.

A renúncia permitiu que o PR indicasse um outro deputado, também aliado de Cunha, para a vaga. Se Gurgel não renunciasse, o lugar dele na sessão seria ocupado pelo suplente, Assis Carvalho (PT-PI), contrário a Cunha.

Peritos consultados pela “Folha” afirmaram que a assinatura de Gurgel na carta de renúncia é uma falsificação “grosseira” e “primária”. Em um dos laudos, de acordo com o jornal, o Instituto Del Picchia aponta que a carta de renúncia apresenta características “peculiares às falsificações produzidas por processo de imitação lenta, quais seja, imitação servil ou decalque”, com “inequívocos índices primários das falsificações gráficas”.

No outro laudo encomendado pela “Folha”, de Orlando Garcia e Maria Regina Hellmeister, os peritos afirmam que os exames mostram “antagonismos gráficos” que levam à conclusão de que a assinatura é “produto de falsificação grosseira”.

Fonte: G1


Deixe um Comentário