Cidades

Após mudanças na fiscalização, aeroportos registram longas filas

FILA DE PASSAGEIROS NO AEROPORTO JK NA MANHÃ DESTA SEGUNDA-FEIRA (18) (FOTO: REPRODUÇÃO)

FILA DE PASSAGEIROS NO AEROPORTO JK NA MANHÃ DESTA SEGUNDA-FEIRA (18) (FOTO: REPRODUÇÃO)

Na manhã desta segunda-feira (18), aeroportos brasileiros registravam longas filas após a entrada em vigor dos novos procedimentos mais rigorosos de fiscalização de passageiros e bagagens. A mudança, que vale para voos nacionais e internacionais em todos os aeroportos brasileiros, foi tomada para aumentar a segurança dos viajantes e não tem prazo para acabar.

As companhias aéreas orientam que os passageiros passem a se apresentar para o check in com uma antecedência de pelo menos 1h30 antes do horário de partida do voo. Em São Paulo, mesmo seguindo a recomendação das empresas, alguns passageiros perderam o voo no aeroporto de Congonhas, na Zona Sul.

Da 0h às 10h desta segunda-feira, balanço da Infraero mostrava que, do total de 504 voos domésticos programados no país, 14 estavam atrasados (2,8%).

Antes das novas regras começarem a valer, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) havia informado que seriam tomadas medidas para evitar possíveis filas, mas, na ocasião, não detalhou os procedimentos previstos.

Confira os procedimentos que devem ser intensificados, segundo a Anac:

– Revista física
Todos os passegeiros estão sujeitos a passar por uma revista física, feita por um agente do mesmo sexo. Isso pode ser feito de forma aleatória, ou seja, mesmo que não tenha sido disparado o alarme do equipamento de raios X. De acordo com a Anac, a revista poderá ocorrer em local público ou reservado, a critério do passageiro e do agentes, e com presença de testemunha.

Crianças também podem ser submetidas à revista física, segundo a Anac. A idade mínima, no entanto, não foi informada por “questões de segurança”, segundo o órgão.

Se o passageiro se negar a passar por revista física, caso seja solicitado, ele não poderá acessar a área de embarque do aeroporto.

– Notebook
Os passageiros terão que tirar computadores portáteis e outros dispositivos eletrônicos de dentro das malas e mochilas. Antes, segundo a Anac, a medida só era obrigatória para os voos internacionais.

De acordo com a agência reguladora, a presença do notebook dificulta a visualização dos demais itens no interior da bagagem durante a inspeção pelo equipamento de raios X.

– Abertura de bagagem
Os passageiros também podem ter de abrir as bagagens de mão para que os agentes façam a inspeção dos objetos. Isso pode ser solicitado no momento da passagem pelo equipamento de raios X.

Se o passageiro se recusar a abrir a bagagem de mão, ele ficará proibido de entrar na área de embarque do aeroporto.

G1 SP


Deixe um Comentário