Política

Aliados políticos prestam solidariedade a Lula; Maduro envia flores

DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO CONTEÚDO

COROA DE FLORES É LEVADA PARA ENTERRO DO MENINO ARTHUR ARAÚJO LULA DA SILVA IMAGEM: DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO CONTEÚDO

Aliados políticos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) permaneceram ao seu lado, em ato de solidariedade, entre o fim da manhã e o começo da tarde de hoje, durante cerimônia de cremação de Arthur Araújo Lula da Silva, 7, neto do ex-presidente, em São Bernardo do Campo, no ABC. O presidente de fato da Venezuela, Nicolás Maduro, enviou uma coroa de flores.

Centenas de militantes do PT foram ao crematório para apoiar o ex-presidente Lula na primeira vez que ele deixou a carceragem da PF (Polícia Federal) em Curitiba (PR), desde que foi preso, em 7 de abril do ano passado. Ao fim da cerimônia de hoje, não foram raras lágrimas nos rostos dos militantes.

O governo do PT foi alinhado com o governo de Maduro e de seu antecessor, Hugo Chávez, mas a administração de Jair Bolsonaro reconhece como mandatário do país apenas o líder opositor e autoproclamado presidente interino da Venezuela Juan Guaidó.

Entre os políticos que estiveram no cemitério Jardim da Colina, em São Bernardo do Campo, estavam a ex-presidente Dilma Rousseff e o candidato do PT à presidência na eleição do ano passado, Fernando Haddad. Ambos foram aclamados pelos militantes, tanto na chegada, quando na saída. Dilma não falou. Haddad disse à imprensa estar sentido pelo que ocorreu com Arthur.

O menino Arthur morreu de meningite meningocócica ontem após passar horas internado em um hospital em Santo André, na Grande São Paulo. Lula recebeu autorização especial da Justiça para deixar a cadeia no Paraná e acompanhar a cerimônia fúnebre.

Ex-presidentes do PT, José Genoino e Rui Falcão também foram ao local, assim como a deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ) e os deputados federais Ivan Valente (PSOL-SP) e Paulo Teixeira (PT-SP), além do candidato à presidência ano passado pelo PSOL, Guilherme Boulos. Todos foram muito aplaudidos pela militância presente.

Como Maduro, outros políticos, empresários e amigos de Lula que não estiveram presentes na cerimonia de cremação enviaram coroas de flores.

Através do telefone de Gilberto Carvalho, ex-ministro de Lula, o ex-presidente recebeu ligações de Gilmar Mendes, ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) e de Leonardo Boff, que é escritor. Lula interrompeu as duas ligações aos prantos.

Enquanto Lula recebia afagos dentro da sala do velório, na parte de fora, cerca de 400 pessoas gritavam palavras de apoio ao ex-presidente, pediam sua liberdade e criticavam a PF. Um dos gritos pedia que os agentes liberassem Lula e fossem atras de supostos laranjas utilizados pelo PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro.

Fonte: UOL

Deixe um Comentário