Famosos

Acusado de assedio sexual, José Mayer volta atrás e assume: ‘Errei no que fiz’

.

‘APRENDI NOS ÚLTIMOS DIAS O QUE LEVEI 60 ANOS SEM APRENDER’, DIZ JOSÉ MAYER

Sob suspeita de assédio sexual a uma figurinista da Rede Globo, o ator José Mayer recuou e, por meio de sua assessoria, divulgou uma carta nesta terça-feira, 4, na qual assume ter tido um comportamento inadequado. “Errei no que fiz, no que falei e no que pensava. A atitude correta é pedir desculpas. Mas isso só não basta. É preciso um reconhecimento público que faço agora.” A carta aberta veio a público no momento em que a mobilização nas redes sociais – e na TV – cresce, com apoio da própria emissora, que afastou o artista por tempo indeterminado.

Na sexta-feira, Mayer foi acusado de ter assediado Susllem Meneguzzi Tonani, que fez um relato em primeira pessoa no blog #AgoraÉQueSãoElas, do jornal Folha de S.Paulo. A jovem afirma que o ator começou com “brincadeiras” machistas e “elogios” e, depois, teria tocado em sua genitália. No mesmo dia, à Folha, ele negou as acusações e disse que as atitudes eram próprias de seu personagem em A Lei do Amor, Tião Bezerra.

Nesta quarta, mudou a versão na carta aberta. “Mesmo não tendo tido a intenção de ofender, agredir ou desrespeitar, admito que minhas brincadeiras de cunho machista ultrapassaram os limites do respeito com que devo tratar minhas colegas. Sou responsável pelo que faço.”

Mayer atribui seu comportamento também à educação que teve. “Tristemente, sou sim fruto de uma geração que aprendeu, erradamente, que atitudes machistas, invasivas e abusivas, podem ser disfarçadas de brincadeiras ou piadas. Não podem. Não são”, escreve. “Aprendi nos últimos dias o que levei 60 anos sem aprender. O mundo mudou. E isso é bom. Eu preciso e quero mudar com ele.”

Ainda não se sabe se haverá repercussões judiciais. O artigo 216 do Código Penal prevê assédio sexual como crime, caracterizado por constrangimentos e ameaças feitos por alguém normalmente de posição superior à vítima. De acordo com a advogada Luiza Eluf, porém, pelas circunstâncias descritas no relato da vítima, o caso é de estupro. “Ele assaltou as partes íntimas da vítima, contra a vontade dela”, diz Luiza. “O assédio se limita ao constrangimento da pessoa, mas não há toque. Com aproximação física, não há dúvida nenhuma de que a tipificação correta é estupro”, declara a ex-secretária nacional de Direitos da Cidadania, apesar de considerar a legislação “demasiadamente rigorosa”.

Repercussão

Na terça, a Globo confirmou que decidiu não escalar o ator para a próxima novela das nove, de Aguinaldo Silva, prevista para 2018. Procurada pelo E+, a Comunicação da Globo definiu a decisão como uma atitude isenta e responsável da emissora “de não dar visibilidade a uma das partes envolvidas numa questão que é visceralmente contra tudo que acredita”.

A emissora ainda reforçou que a atitude dela sempre será a de defender que casos como esse sejam apurados, “ouvindo e oferecendo todo apoio às duas partes”. No caso do cantor Victor Chaves, jurado do The Voice Kids acusado de agredir a mulher grávida, a Globo também afastou o sertanejo.

Nesta quarta, atrizes e funcionárias da Globo se posicionaram nas redes sociais contra o caso de assédio sexual. O assunto também ganhou espaço na programação. No Jornal Hoje, o apresentador Evaristo Costa leu a nota da emissora sobre o assunto e, nas redes sociais, afirmou que “mexer com mulheres é mexer com ele também”, remetendo a uma campanha que vem ganhando espaço online. A mesma nota, longa, ganhou destaque no Jornal Nacional.

À tarde, no Vídeo Show, apesar de não terem citado o nome de Mayer, as atrizes Débora Nascimento, Nathalia Dill e Julia Rabello apareceram com camisetas com os dizeres “Mexeu com uma, mexeu com todas #chegadeassédio”. A iniciativa não foi criticada pela emissora – pelo contrário. “A Globo se solidariza com a manifestação, que expressa os valores da empresa”, diz na nota oficial.

Confira a nota de José Mayer na íntegra: 

“Carta aberta aos meus colegas e a todos, mas principalmente aos que agem e pensam como eu agi e pensava: 

Eu errei.

Errei no que fiz, no que falei, e no que pensava.

A atitude correta é pedir desculpas. Mas isso só não basta. É preciso um reconhecimento público que faço agora.

Mesmo não tendo tido a intenção de ofender, agredir ou desrespeitar, admito que minhas brincadeiras de cunho machista ultrapassaram os limites do respeito com que devo tratar minhas colegas.  Sou responsável pelo que faço.

Tenho amigas, tenho mulher e filha, e asseguro que de forma alguma tenho a intenção de tratar qualquer mulher com desrespeito; não me sinto superior a ninguém, não sou.

Tristemente, sou sim fruto de uma geração que aprendeu, erradamente, que atitudes machistas, invasivas e abusivas podem ser disfarçadas de brincadeiras ou piadas. Não podem. Não são. 

Aprendi nos últimos dias o que levei 60 anos sem aprender. O mundo mudou. E isso é bom. Eu preciso e quero mudar junto com ele.

Este é o meu exercício. Este é o meu compromisso. Isso é o que eu aprendi.

A única coisa que posso pedir a Susllen, às minhas colegas e a toda a sociedade é o entendimento deste meu movimento de mudança.

Espero que este meu reconhecimento público sirva para alertar a tantas pessoas da mesma geração que eu, aos que pensavam da mesma forma que eu, aos que agiam da mesma forma que eu, que os leve a refletir e os incentive também a mudar.

Eu estou vivendo a dolorosa necessidade desta mudança. Dolorosa, mas necessária.

O que posso assegurar é que o José Mayer, homem, ator, pai, filho, marido, colega que surge hoje é, sem dúvida, muito melhor.

Fonte: Estadão



Deixe um Comentário