Últimas do FM

Geral

Anitta, Daniel e Maria Rita são alguns dos artistas que cancelaram shows por causa da paralisação de caminhoneiros

ANITTA CANCELA SHOW EM BELÉM POR DIFICULDADES DE TRANSPORTE EM MEIO À GREVE DOS CAMINHONEIROS (FOTO: REPRODUÇÃO/FACEBOOK)

Anitta, Daniel, Seu Jorge e Maria Rita foram alguns dos artistas que precisaram cancelar ou adiar os shows que fariam neste final de semana por conta da greve dos caminhoneiros. Na tarde deste sábado (26), Anitta divulgou um comunicado em seus perfis oficiais nas redes sociais anunciando que o show programado para este domingo (27) em Belém foi cancelado.

“Apesar de todos os esforços para a realização do evento, infelizmente toda a logística do show ficou comprometida por conta da paralisação”, afirmou a empresa responsável pelo evento, no comunicado.

Em seu Instagram, Daniel explicou que as apresentações que faria nesta sexta-feira (25) e sábado (26) foram adiadas.

“Atenção ao público dos shows de Ponta Grossa/PR (25/05) e São José dos Campos/SP (26/05). Em função dos acontecimentos recentes em nosso País, não será possível a realização dos eventos deste final de semana, pois a logística de transporte foi comprometida. Porém informamos que os dois shows já têm nova data para acontecer: Ponta Grossa/PR – 9 de junho (sábado) e São José dos Campos/SP – 8 de julho (domingo). Os ingressos serão mantidos e para qualquer informação adicional, os organizadores dos shows estarão à disposição”, explicou a produção do cantor.

Maria Rita comunicou seus fãs pelo Twitter sobre o cancelamento do show que faria em Vila Velha. “Devido à greve dos caminhoneiros, as carretas que transportam os equipamentos, instrumentos musicais e cenários do show ‘Amor e Música’ não chegarão a tempo da apresentação deste fim de semana em Vila Velha, impossibilitando a sua realização. O show foi transferido para o dia 14 de setembro (sexta-feira) e os ingressos previamente adquiridos permanecem válidos para a nova data”.

O show de Seu Jorge, marcado para acontecer nesta sexta-feira (25), também foi adiado. A data foi alterada para 9 de junho.

“Com muito pesar que venho comunicar que não vou poder fazer o concerto que já havia marcado pra fazer em Recife em função da crise que estamos atravessando, a greve dos caminhoneiros. Nosso caminhão com um monte de equipamento está preso no bloqueio, infelizmente não vai conseguir chegar. Tentamos algumas alternativas aqui de fazer com equipamento local, mas descobrimos que seria impossível, porque também estamos com problemas de voo e gasolina e tudo mais, que o Brasil está sentido muito. Lamento muito. A data será adiada, não cancelada”, explicou o cantor em vídeo.

A cantora Wanderlea também cancelou a apresentação que faria com seu musical “60! Década de Arromba”, que seria apresentado em Vila Velha, Espírito Santos, na sexta-feira (25) e no domingo (27). “Devido à greve dos caminhões e a falta de combustível, não conseguimos chegar com a produção em tempo hábil de montar e realizar as apresentações”.

O festival Tim Music, que aconteceria neste sábado (26), em São Paulo, foi cancelado. No evento, se apresentariam as duplas Simone & Simaria, Matheus & Kauan, os cantores Bell Marques e Felipe Araújo e os DJs Bruno Martini e a dupla Jetlag.

“Devido à greve e paralisação dos caminhoneiros que traz graves impactos para todo o país, a TIM, Universal Music e D&M Promoções e Eventos foram obrigados a cancelar o FESTIVAL TIM MUSIC, que seria realizado amanhã (26/05) na Arena Anhembi em São Paulo. A decisão foi tomada levando em consideração, sobretudo, a segurança do público que estaria presente, além da logística terrestre das equipes técnicas, e deslocamento aéreo dos artistas”.

G1

Polícia

Gerente de posto de combustível é morto após tentativa de assalto em João Pessoa

SUSPEITO PRESO PELA POLÍCIA FOI LEVADO PARA O HOSPITAL DE TRAUMA DE JÕAO PESSOA APÓS SER ESPANCADO POR POPULAÇÃO (FOTO: WALTTER PAPARAZZO/G1

O gerente de um posto de combustível em João Pessoa, foi morto na tarde deste sábado (26) durante uma tentativa de assalto. O posto é localizado na Avenida Edson Ramalho, no bairro Manaíra. De acordo com a Polícia Militar, o homem reagiu à abordagem de dois assaltantes armados, e um deles teria atingido a vítima com um tiro no peito.

Um suspeito foi preso ainda no local. Com ele, a polícia apreendeu a arma que teria sido usada no crime e uma moto. O outro suspeito conseguiu fugir antes da chegada da polícia em direção à Avenida Ruy Carneiro.

Um funcionário do posto que também estava no local relatou que os dois suspeitos estavam na entrada do estabelecimento observando, depois saíram e retornaram já cercando o gerente, quando anunciaram o assalto. O funcionário conta ainda que ouviu o disparo, mas não viu se o gerente reagiu à abordagem dos criminosos.

A polícia informou que o gerente não resistiu ao ferimento e morreu a caminho do hospital. O suspeito preso pela polícia foi levado para o Hospital de Trauma e depois encaminhado para a Central de Flagrantes da cidade.

G1 PB

Geral

Waze libera recurso que indica postos que ainda têm gasolina

NOS POSTOS DE GASOLINA QUE AINDA VENDEM O COMBUSTÍVEL, EXISTEM FILAS E OS PREÇOS FORAM REMARCADOS (MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL)

A greve dos caminhoneiros está promovendo uma corrida aos postos de gasolina de todo o Brasil. Para ajudar o motorista que está de tanque vazio, o Waze habilitou um novo recurso dentro do aplicativo para que o consumidor saiba onde encontrar combustível.

A atualização está disponível desde a manhã desta sexta-feira (25). Ao aproximar-se de um posto de gasolina, o aplicativo solicita ao usuário que informe alguns dados – entre eles, há a opção “Atualize disponibilidade local de combustível”. Além disso, é possível incluir o preço dos produtos.

O desabastecimento dos postos fez com que o preço da gasolina sofresse uma variação de até 99,85% entre os estabelecimentos de todo o Brasil, segundo levantamento feito pela ValeCard, empresa especializada em gestão de frotas.

Veja


Internacional

Irlanda vota e decide pela legalização do aborto

Resultado de imagem para aborto irlanda

O RESULTADO É UMA VITÓRIA HISTÓRICA PELOS DIREITOS DAS MULHERES NO PAÍS DE TRADIÇÃO CATÓLICA CONSERVADORA. (FOTO:CLODAGH KILCOYNE/REUTERS)

A República da Irlanda anunciou neste sábado, 26, ampla vitória do ‘sim’ no referendo sobre a flexibilização da lei relacionada ao aborto – uma das mais restritivas do mundo. Segundo as autoridades, 66% do eleitorado – 1,4 milhão de pessoas – votou a favor da mudança da legislação atual na consulta popular realizada nessa sexta-feira, 25. Cerca de 724 mil votaram ‘não’.

O resultado é uma vitória histórica pelos direitos das mulheres no país de tradição católica conservadora. Mais de 64% da população foi às urnas para opinar sobre o tema – uma das participações mais altas já registradas em um referendo na Irlanda.

A população foi questionada sobre a manutenção ou extinção da emenda constitucional aprovada em referendo de 35 anos atrás, que proibiu a interrupção da gravidez em qualquer hipótese. Em 2013, parte da proibição foi retirada para permitir o aborto somente em casos de risco à vida da gestante. A intervenção seguia ilegal para casos de estupro, incesto ou malformação do feto. Mulheres que abortassem e profissionais que realizassem o procedimento poderiam ser punidos com até 14 anos de prisão.

Com o fim da ‘oitava emenda’, o governo deverá redigir uma nova legislação para permitir o aborto em todas as circunstâncias durante as primeiras 12 semanas de gravidez e, em casos excepcionais, até 24 semanas. A expectativa é de que as novas regras sejam aprovadas até o final deste ano.

O primeiro-ministro, Leo Varadkar, afirmou que este é um dia histórico no país. Ele disse querer garantir menos gestações de risco e melhor educação sexual nas escolas. Com o aval do referendo, Varadkar prometeu agir rápido para a formulação da nova legislação sobre o aborto.

“A violenta dor de décadas de maus tratos às mulheres irlandesas não pode ser apagada. No entanto, hoje garantimos que ela não precisa ser revivida”, disse o primeiro-ministro, em pronunciamento após o anúncio do resultado.

Estadão