Últimas do FM

Assembleia Legislativa do RN

Ezequiel Ferreira solicita obras de drenagem e pavimentação para Tibau do Sul

EZEQUIEL FERREIRA: “A PRAIA DE PIPA UM IMPORTANTE PONTO TURÍSTICO DO ESTADO ESTÁ ENFRENTANDO SÉRIOS PROBLEMAS COM AS FREQUENTES CHUVAS” – FOTO EDUARDO MAIA

Ao levar em consideração que a falta de pavimentação e drenagem em ruas urbanas prejudicam e dificultam o tráfego e o acesso de moradores, o deputado e presidente da Assembleia Legislativa, Ezequiel Ferreira (PSDB) encaminhou requerimento à governadora do Estado, Fátima Bezerra (PT) e ao secretário de Infraestrutura, Gustavo Fernandes Rosado para que seja realizado convênio entre o município de Tibau do Sul e o governo do Estado para a pavimentação e drenagem da praia de Pipa.

“A praia de Pipa um importante ponto turístico do Estado está enfrentando sérios problemas com as frequentes chuvas, com a água invadindo as casas, bloqueando o trânsito, causando prejuízos ao comércio e o setor hoteleiro”, justifica o deputado Ezequiel.

Outro requerimento encaminhado pelo deputado solicita drenagem e o recapeamento asfáltico da RN-003 no trecho que liga o município de Tibau do Sul à praia de Pipa, no segmento da rua dos Três Poderes.

A obra de reestruturação da referida rodovia ligando Tibau do Sul à Pipa foi entregue recentemente. “No entanto, no trecho da rua dos Três Poderes nada foi feito. O trecho necessita, com urgência de obras de drenagem e recapeamento asfáltico”, enfatizou o deputado.

Internacional

Comitiva nos EUA tem sumiço de Bolsonaro, Moro na churrascaria e compras de Eduardo

Presidente Jair Bolsonaro

O PRESIDENTE ESTAVA ACOMPANHADO POR SEGURANÇAS PARA, SEGUNDO UM DE SEUS AUXILIARES, RELAXAR UM POUCO DEPOIS DE PARTICIPAR DE UMA REUNIÃO – FOTO: SERGIO LIMA/AFP

O presidente sumiu. Durante pelo menos duas horas desta segunda-feira (18), Jair Bolsonaro circulou pelas ruas de Washington acompanhado por seguranças para, segundo um de seus auxiliares, relaxar um pouco depois de participar de uma reunião na CIA, a agência de inteligência americana.

O encontro, que não estava no roteiro oficial do presidente, começou cedo, mas não foi divulgado à imprensa, ao contrário de todos os outros compromissos que ele terá na cidade até esta terça-feira (19).

Antes das 8h (9h de Brasília), foi o filho caçula de Bolsonaro, Eduardo, quem deu o spoiler: postou em sua conta no Twitter que estava a caminho da sede da CIA, na capital americana, junto com o pai e outros ministros.

Até ali, a assessoria do Planalto insistia que o presidente estava em agenda privada e, somente quatro horas depois, divulgou uma nota para informar que a reunião com a agência americana serviu para debater “questões de combate ao crime organizado e ao narcotráfico”.

A comitiva contava com o ministro Sergio Moro (Justiça), que não quis falar sobre o assunto ao voltar ao Sofitel, duas horas mais tarde, onde ele e quase todos os outros colegas de Esplanada estão hospedados.

Perto das 12h, Moro se preparou para sair mais uma vez.

“O senhor vai encontrar o Bolsonaro para o almoço? Parece que ele fugiu da gente”, perguntou a Folha de S.Paulo. “Sorte dele”, desconversou o ministro sorrindo.

Mas não era o presidente que o chefe da Justiça encontraria. Moro foi almoçar no restaurante de carnes The Capital Grille, na avenida que leva ao Congresso americano, com integrantes de sua equipe e do FBI, equivalente à Polícia Federal brasileira.

Às 12h05, mais de duas horas depois de ter saído da CIA, Bolsonaro voltou à Blair House, onde está hospedado com o filho e os ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Augusto Heleno (GSI).

Auxiliares afirmam que ele foi fazer o que não consegue no Brasil: fugir um pouco do estresse e da agenda cheia de compromissos. Saiu apenas com seguranças, Heleno e Araújo. Na volta, almoçou na residência.

Pouco depois, recebeu Eduardo e o assessor de assuntos internacionais da Presidência, Filipe Martins, que haviam feito compras no fim da manhã e participado de um encontro na OEA (Organizações dos Estados Americanos).

A sacola de Martins estava repleta de vitaminas, enquanto a de Eduardo tinha uma caixa de power crunch, uma barra de proteína com gosto de chocolate para comer geralmente depois de um treino forte na academia.

Depois de conversar com os dois, Bolsonaro voltaria à sua agenda normal: recebe o ex-secretário do Tesouro dos EUA Henry Paulson e concede uma entrevista à Fox News -que Eduardo queria acompanhar.

No fim da tarde, o presidente segue para a Câmara de Comércio, onde encerra o painel de discussão “O futuro da economia brasileira”.

O dia oficial -se não contar com mais nenhuma outra escapada- termina com um jantar com empresários brasileiros e americanos.

Fonte:  Marina Dias/ Folhapress
Turismo

“Grave equívoco”: ex-ministro Henrique Alves critica decisão de Bolsonaro de dispensar de forma unilateral visto de turistas dos EUA, Austrália, Canadá e Japão

EX-MINISTRO HENRIQUE ALVES DIZ QUE “CONCEDER ISENÇÃO DE VISTO UNILATERALMENTE DESPRESTIGIA E FRAGILIZA O PAÍS!”

Ex-ministro do Turismo, o presidente do MDB do Rio Grande do Norte, ex-deputado federal Henrique Eduardo Alves, criticou a decisão do presidente Jair Bolsonaro de conceder a isenção de visto, de forma unilateral, para turistas dos Estados Unidos, Austrália, Canadá e Japão.

Alves lembra que na época da Copa do Mundo ele pleiteou a isenção de visto para visitantes do EUA, mas terminou cedendo aos argumentos da diplomacia brasileira, que não vê com bons olhos a isenção unilateral – onde os países beneficiados não têm a mesma atitude com o cidadão brasileiro.

Henrique Alves avalia como um “grave equívoco” a decisão que Jair Bolsonaro anunciou nesta segunda-feira, por ocasião de sua visita oficial aos EUA.

Conceder isenção de visto unilateralmente desprestigia e fragiliza o País!”, enfatiza.
Faz sentido…

 

Turismo

Bolsonaro isenta cidadãos de EUA, Austrália, Canadá e Japão de visto para o Brasil

Passaporte

SEGUNDO O DECRETO PUBLICADO NESTA SEGUNDA, A DISPENSA PARA O VISTO ENTRARÁ EM VIGOR EM 17 DE JUNHO DESTE ANO – FOTO: PIXABAY

O presidente Jair Bolsonaro dispensou os cidadãos dos Estados Unidos da necessidade de visto para visitar o Brasil. A medida, um dos gestos que Bolsonaro pretende fazer ao presidente dos EUA, Donald Trump, durante sua viagem oficial a Washington, consta em edição extra do Diário Oficial da União publicada nesta segunda-feira (18). A dispensa também vale para os visitantes da Austrália, do Canadá e do Japão.

A isenção do visto para esses países se aplica aos viajantes que cheguem ao Brasil para fins de turismo, negócios, trânsito e para aqueles que realizem atividades artísticas e esportiva. Também se estende para pessoas “em situações excepcionais por interesse nacional.”

Segundo o decreto publicado nesta segunda, a dispensa para o visto entrará em vigor em 17 de junho deste ano. Antes, para visitar o Brasil, os cidadãos dos EUA, Austrália, Canadá e Japão precisavam pedir um visto nos consulados brasileiros em seus respectivos países. Isso ocorria pelo princípio de reciprocidade, uma vez que os brasileiros que viajam a essas nações precisam obrigatoriamente de um visto.

Bolsonaro decidiu isentar os visitantes desses países da obrigação de forma unilateral. Ou seja, os cidadãos brasileiros continuam precisando de um visto para viagens internacionais a esses países. O argumento do governo é que o turismo brasileiro deve se beneficiar com a medida. Americanos, australianos, canadenses e japoneses são considerados turistas de alto poder aquisitivo e de baixo risco migratório. Uma dispensa da necessidade de visto para os cidadãos desses quatro países chegou a vigorar durante as Olimpíadas de 2016, também para estimular o fluxo de turistas internacionais.

No entanto, a isenção unilateral de visto sempre sofreu resistências dentro do Itamaraty, já que muitos diplomatas argumentam que esse tipo de facilitação deve vir acompanhada de um gesto semelhante pelo país beneficiado. A dispensa unilateral do visto para os americanos é defendida pelo deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente da República. Ele faz parte da comitiva que está em Washington nesta semana para acompanhar o encontro de Bolsonaro com Trump.

“Nós, brasileiros, é que vamos ser espertos e vamos pegar os dólares dos turistas americanos, japoneses, australianos e canadenses”, disse o parlamentar, na capital dos EUA, neste sábado (16). Na mesma ocasião, Eduardo Bolsonaro afirmou que os brasileiros que vivem ilegalmente no exterior são uma preocupação do governo porque são “uma vergonha” para o país.

Fonte: Folha de Pernambuco